Palavra do Pároco

Estimados leitores, 
Estamos nos aproximando ao final de mais um Ano, é sempre bom lembrar que diferente do Ano Civil que começa em 1º de Janeiro e termina em 31 de Dezembro. O Ano Litúrgico começa no 1º Domingo do Advento (cerca de quatro semanas antes do Natal) e termina no Sábado anterior a ele. O Ano Litúrgico está dividido em “Tempos Litúrgicos”. 

Cada rito Litúrgico da Igreja Católica tem o seu Calendário Litúrgico próprio, com mais ou menos diferenças em relação ao Calendário Litúrgico do Rito Romano, o mais conhecido. No entanto, para todos os ritos Litúrgicos é idêntico o significado do Ano Litúrgico, assim como a existência dos diversos tempos Litúrgicos e das principais festas Litúrgicas. 

O Ano Litúrgico da Igreja é assim dividido: 1º- Tempo do Advento 2º- Tempo do Natal 3º- Tempo Comum I 4º- Tempo Quaresma 5º- Tempo Pascal 6º- Tempo Comum II. Além dos tempos que têm características próprias (Advento, Natal, Quaresma e Páscoa), restam no ciclo anual trinta e três ou trinta e quatro semanas nas quais são celebrados, na sua globalidade os Mistérios de Cristo (Tempo comum) que é um período sem grandes acontecimentos, mas que nos mostra que Deus se faz presente nas coisas mais simples. É um tempo de Esperança acolhimento da Palavra de Deus. Este tempo é chamado: de Tempo Comum, mas não tem nada de vazio. É o tempo de Igreja continuar a obra de Cristo nas lutas e no trabalho pelo Reino. 

O Tempo Comum é dividido em duas partes: a primeira fica compreendida entre os tempos do Natal e da Quaresma, é um momento de Esperança e de Escuta da Palavra onde devemos anunciar o Reino de Deus; a segunda parte fica entre os tempos da Páscoa e do Advento, é o momento do cristão colocar em prática a vivência do reino e ser sinal de Cristo no mundo, ou como o mesmo Jesus disse: “ser sal da terra e luz do mundo”.O Tempo Comum é ainda tempo privilegiado para Celebrar as memórias da Virgem Maria e dos Santos. A cor utilizada no tempo comum é o verde e tem como significado “O Crescimento e a Esperança”. 

Durante a semana o esquema é diferente: anos pares e anos ímpares para a primeira Leitura e o Evangelho sempre o mesmo todos os anos. Desta forma: aos Domingos, ao final de três anos teremos lido praticamente toda a Bíblia Sagrada na Liturgia da Missa e durante a semana praticamente em dois anos. As festas solenes de Cristo, Maria, dos Apóstolos, Santos e outras solenidades têm esquema de leituras próprias. 
Podemos dizer que o Ano Litúrgico é um “Calendário Religioso”, que marca os principais acontecimentos da História da salvação, e assim fazermos da Igreja uma rede de relações fraternas, onde possamos viver a liturgia como lugar de encontro e crescimento de nossa fé. 

Abraços fraternos 
PE. Daniel Aparício Rasteiro